terça-feira, 20 de maio de 2008




“O atletismo é a minha paixão”

Luís Graça, 33 anos é professor de Educação Física e Treinador de Atletismo. Durante os últimos anos colocou centenas de crianças a correr, saltar, lançar e marchar no concelho de Ferreira do Zêzere. Em 1995 iniciou a sua carreira de treinador no Sport Club Ferreira do Zêzere, mas foi a partir de 2001, com a criação do Clube de Atletismo de Ferreira do Zêzere que o seu trabalho começou a dar melhores frutos, com a internacionalização das atletas Dina Malheiro, em 2002, e Catarina Godinho em 2005.



Tomaracorrida- Como apareceu o CAFZ?
Luís Graça – O CAFZ nasceu a partir de uma série de divergências entre mim e algumas pessoas da Direcção do S. C. Ferreira do Zêzere, na época 2000/2001. Havia, e ainda há, uma paixão grande pelo Futebol por parte das pessoas daquele Clube, o que sempre aceitei e tenho que respeitar, porém não podia aceitar mais a discriminação que havia em relação à secção de Atletismo. Em Fevereiro de 2001 (a meio da época) eu e cerca de uma dezena de atletas optámos por sair e, a partir daí, começou a ganhar forma a ideia de formarmos uma equipa só de Atletismo em Ferreira do Zêzere. Sou uma pessoa ambiciosa e acho que na altura a solução de abandonar o SCFZ foi a melhor opção.



Tomaracorrida- O Luís é conhecido no atletismo como treinador mas também como atleta. Teve bons resultados?
Luís Graça – Digamos que o atleta Luís Graça ainda atingiu um nível bastante razoável. Antes de representar os clubes ferreirenses, representei o União de Tomar, onde me iniciei na modalidade em 1989. Após três épocas a defender as cores do clube nabantino, ingressei no Sport Lisboa e Benfica e foi aí que consegui quase todas as minhas melhores marcas. Não fui um atleta de topo, mas orgulho-me de ter conseguido fazer uma Meia-Maratona (21.097 metros) em 1H06.50. Na altura, em 1996, não era considerada uma marca excelente, pois havia muito mais competitividade, mas nos tempos que correm… dar-me-ia muitas alegrias.



Tomaracorrida- Corria que tipo de provas?
Luís Graça – Sempre me dediquei às provas de Meio Fundo e Fundo (dos 800 metros à Meia-Maratona). Corria na Pista, na Estrada e em Corta-Mato, embora fosse nas provas mais longas e com circuitos difíceis que conseguia as melhores prestações.



Tomaracorrida- Mas mais tarde tirou o curso de treinador?
Luís Graça – Sempre me deu muito prazer elaborar planos de treino, até mesmo quando ainda não fazia a mínima ideia do que estava a fazer, pois comecei a apoiar atletas desde muito cedo. Os cursos de treinador são uma consequência da vontade de querer saber mais. Sempre que tenho oportunidade participo em mais um curso ou uma simples acção de formação. Tudo evolui muito rapidamente. Se não nos formos mantendo minimamente actualizados, vamos ficando para trás e isso é mau, não só para nós, como especialmente para os atletas que treinamos.

Tomaracorrida- Acha que a formação melhorou o seu desempenho de treinador?
Luís Graça – Seria hipócrita se afirmasse que não. Quando se recebe formação, seja no que for, devemos saber aplicar aquilo que nos é transmitido. Se quisermos evoluir como treinadores temos que apostar na nossa formação, quer ela seja através de cursos, leituras ou simples conversas com pessoas entendidas nas mais diversas matérias. O truque é tentar aproveitar a maior quantidade de informação possível e depois filtrá-la e aproveitar aquilo que realmente achamos importante, adaptando-o a nossa realidade.

Tomaracorrida- Como conseguiu conciliar o trabalho com os estudos e o atletismo?
Luís Graça – Foi terrível! Só quem passa por isso é que sabe dar o valor. Houve períodos que foram mesmo muito difíceis mas, felizmente, consegui os meus objectivos. Fiz a minha licenciatura nos 4 anos que pertencia, conseguindo uma média de curso que me permite um dia mais tarde, se vier a pensar nisso, fazer um mestrado. Nunca deixei de trabalhar e penso que terei acompanhado os meus atletas, no essencial. Foi duro mas hoje posso dizer que valeu a pena!

Tomaracorrida- Quais os principais frutos?
Luís Graça – Bom, neste momento posso dizer que tenho um bom emprego. Faço aquilo que sempre quis fazer e, quando assim é, temos que nos sentir felizes. Já tenho muito mais tempo para me dedicar ao treino dos meus atletas e a empenhar-me em alguns projectos que tenho em mente. No fundo estou a colher os frutos das sementes que fui semeando ao longo dos últimos anos. É muito bom poder ter esta sensação.

Tomaracorrida - As infra-estruturas para treino têm as condições mínimas necessárias? Se não, o que falta?

Luís Graça – Pois… é mesmo isso que nos está a faltar: infra-estruturas para treino com as condições mínimas necessárias. Não existem em Ferreira do Zêzere as infra-estruturas que tanto precisamos. Seria muito bom que houvesse uma Pista de Atletismo sintética na nossa terra, pois iria contribuir muito para a evolução dos atletas ferreirenses. É uma coisa pela qual temos vindo a lutar e, mais cedo ou mais tarde, iremos consegui-lo. Existe sensibilidade por parte das pessoas responsáveis pela Câmara Municipal de Ferreira do Zêzere e sei que têm sido feitos esforços nesse sentido. Vamos aguardar. Há-de chegar a altura.

Tomaracorrida- Para terminarmos a nossa breve, mas importante, entrevista, gostaríamos que nos falasse do futuro do CAFZ e sobre qual o lugar do Atletismo nos planos que traça.
Luís Graça – Como já referi atrás, sou uma pessoa bastante ambiciosa. Não sou de me acomodar e de viver à sombra daquilo que temos conquistado. Quero mais! As pessoas que estão ligadas mais directamente ao CAFZ querem mais. Somos ambiciosos, é certo, mas temos os pés bem assentes na Terra. Tenho o sonho de um dia ver um atleta nosso nos Jogos Olímpicos. Penso que existem atletas no nosso concelho com enorme potencial e não me admirará que um dia cheguem à competição desportiva de maior importância disputada no Mundo. Se forem dadas as tais condições que tanto precisamos, tudo é possível. Num futuro próximo é fundamental alargar a nossa equipa técnica que, presentemente, acaba por ser composta apenas por mim. Temos que apostar forte na vertente técnica e, depois, pôr em prática algumas ideias que tenho vindo a elaborar. Acredito que o CAFZ do futuro será bem melhor do que aquilo que é no presente. É para isso que temos vindo, e iremos continuar, a trabalhar.








Entrevista. Catarina Godinho, atleta internacional, do Clube de Atletismo de Ferreira do Zêzere

“Sonho um dia poder estar nuns Jogos Olímpicos”

Catarina Godinho tem 19 anos (nasceu em 1989) e é atleta do Clube de Atletismo de Ferreira do Zêzere, desde a sua formação, em 2001. Iniciou-se no Atletismo em 1997, ao serviço do Sport Club Ferreira do Zêzere, começando logo aí a dar nas vistas na Marcha Atlética. Sob a orientação de Luís Graça, com apenas 14 anos de idade (no ano de 2003) sagrou-se Campeã Nacional de Juvenis pela primeira vez, numa altura em que era apenas Iniciada. Quando subiu ao escalão de Juvenis começou logo a representar Portugal nas selecções de Juniores e, neste momento, já soma 7 internacionalizações, tendo garantido já os mínimos de participação para o Campeonato do Mundo de Juniores a disputar na Polónia, no próximo mês de Julho.

Tomaracorrida- Como é que a Catarina surge no Atletismo e no Clube de Atletismo de Ferreira do Zêzere?

Catarina – Fui para o Atletismo por influência dos meus primos e da minha irmã, que na altura representavam o Sport Club Ferreira do Zêzere. Mudei para o CAFZ porque o meu treinador saiu do SCFZ e gostei da ideia de representar um clube só de Atletismo.

Tomaracorrida- Qual a distância preferida. Porquê?

Catarina - Até há pouco tempo gostava mais dos 5 Km, mas como já faço as provas de Juniores há bastante tempo e a distância habitualmente é de 10 Km, já não me custa tanto.

Tomaracorrida – Quantas vezes treina por semana?

Catarina - Sei que não treino o que devia para uma atleta com um nível como o meu. Pode parecer impossível mas, à excepção das alturas em que estou em estágio, raramente faço mais de 5 treinos por semana. Não é muito e sei que em relação a algumas das minhas adversárias, treino muito menos que elas.

Quais os seus “hobies”? Consegue conciliar o Atletismo a Escola e os hobies?

Catarina - Não tenho tempo para muitos “hobies”. Estudo em Tomar e as viagens para um lado e para o outro roubam-me muito tempo. Como tenho os treinos ao final do dia, fico com pouco tempo disponível, mas sempre que posso, aos fins-de-semana, gosto estar com os meus amigos e ir a uns “bailaricos” para me divertir um pouco. Também gosto de ouvir música e ver televisão.

Quais os seus objectivos para esta época?

Catarina - Já consegui atingir alguns dos objectivos para esta época. Fui à Taça do Mundo de Marcha, em Cheboksary, na Russia, onde fui 17ª classificada com um novo recorde pessoal, tendo também conseguido mínimos para estar presente no Campeonato do Mundo de Juniores no próximo mês de Julho, na Polónia. Brevemente terei o Campeonato Nacional de Juniores, onde espero conseguir uma boa classificação. Depois no Mundial, logo se vê… mas claro, vou tentar fazer o meu melhor.


E os seus sonhos para o futuro?

Catarina - Como qualquer atleta, também sonho um dia poder estar nuns Jogos Olímpicos. Sei que é preciso trabalhar muito para lá chegar, mas também ainda sou bastante nova. Vamos a ver se conseguirei.





Ao Luís Graça e à Catarina Godinho, agradecemos a disponibilidade de partilha do seu/nosso Atletismo, desejando-lhes muitas vitórias nos lugares cimeiros do Atletismo Nacional e Internacional.

1 comentário:

Jorge disse...

Olá meu amigo Luiz boa tarde que legal que visitou o museu de aviões é isso ae. Parabéns também pelas conquista que tem alcançado, gostei de ver vc com sua família na festa de premiação ainda bem que sua família lhe apoiam é isso ae o papel da familia no esporte é muito importante e também lhe parabenizo pelas homenagens que vc tem feito aos atletas no seu blog é isso ae vamos incentivar.
Bom final de semana e boas corridas.
JC
www.jmaratona.blogspot.com